domingo, dezembro 19, 2010

segunda-feira, novembro 08, 2010

A poetisa sorridente

A poetisa sorridente
Vestida de cowboy
Com os olhos atraente
Iluminados feitos sois
Vai sorrindo alegremente
Com cabelo girassóis
Num gesto atraente
Vai encantando toda gente
Com sua face iluminada e contente
Transformando nossa vida
Numa alegria pungente
Deixando-nos alegre e contente
De ter uma bela ao nosso lado
Linda e atraente

Mario de Almeida
O poeta castanhalense

segunda-feira, novembro 01, 2010

Há motivos e motivos

Há motivos e motivos

Há motivos e motivos
Para o perdão
Há motivos que engrandecem
O coração

Há motivos que entorpece
A alma de sedução

Há motivos e motivos
Que transbordam
A vida sem contradição

Há motivos para guardar
O amor puro, sem ilusão

Há motivos e motivos
Para o perdão
Há motivos que nos levam
A paixão

Há motivos para acreditar
Na relação



Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

domingo, outubro 31, 2010

Amor Real

Amor real

Quando eu disser: te amo
Não fique em dúvida
Saiba que é pura verdade

Te amo com todas as forças
E quero a tua felicidade

Não pense…
Que tudo é uma inverdade
Que o começo é assim
E depois tudo é infelicidade

Pense que te amo
Que meu amor é de verdade
Que não quero outra coisa
Além da tua felicidade


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor.

domingo, setembro 26, 2010

sábado, setembro 18, 2010

segunda-feira, agosto 23, 2010

domingo, agosto 15, 2010

Felicidade


Felicidade

Todos os instantes…
Procura-se a felicidade
Para dar um sentido à vida
E tornar-se os dias belos de alegria
Onde as emoções são constantes
E os sorrisos plenos

Nesta procura, se percorre caminhos
Onde a aurora dar início a esperança
Para se conquistar com magia a felicidade

Todos os instantes
Busca-se a felicidade
Para iluminar com amor a vida
E tornar-se os sentimentos perfeitos
Onde o sol é profundo
E a alegria brilha constante

Nesta busca, se investiga
Onde os verdadeiros amores florescem
Para adentrar suave na fonte
Vivendo a felicidade intensamente

Mario de Almeida
O poeta castanhalensse

Ao copiar esta poesia cite o autor

sexta-feira, julho 30, 2010

Preciso


Preciso

Preciso de um amor
Que me faça sentir
Novamente criança

Que me leve ao paraíso
Sem tirar-me do chão

Que me traga o amor
Cheio de alegrias
Sem ilusão

Preciso de um amor
Que me faça curtir
A linda paixão

Que me faça viver
A inocência do amor
Fluindo sem contradição

E que me faça querer
Está sempre com minha doce paixão

Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor.

domingo, junho 13, 2010

sábado, junho 12, 2010

Neste dia...



Neste dia…

Retirei todas as camadas
Escuras do meu peito
Despi-me dos desejos sagazes
E vesti-me da tua inocência
Esperando encontrar, na noite…

Os teus olhos brilhantes
O teu sorriso apaixonado
A tua alegria nua, despida
De desejos insanos

Para preencher de amor
O meu peito, a minha vida
Realizando, o meu desejo
De ficar sozinho com você
Para a eternidade


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

domingo, maio 30, 2010







terça-feira, maio 25, 2010


Quente olhar

Não posso olhar
Nos teus olhos
Se olhar…
Corro risco
De queimar
De paixão

Então miro
Os olhos
Discreto
No teu doce
Coração

Procurando
Desviar-me
Dos teus olhos
Da fogueira
Da paixão

Para entrar
Tranquilo
Nos teu peito
Doce
Paixão

Mario de Almeida
O poeta castanhalense

Ao Copiar esta poesia cite o autor

segunda-feira, maio 24, 2010

É preciso olhar...

Vamos olhar o céu
Contemplar as nuvens
A lua
As estrelas
O azul infinito
E sentir na alma
A magia,
O sorriso,
O amor puro e bonito

Vamos olhar a terra
Contemplar a natureza,
Os pássaros
As matas
O verde favorito
E sentir no peito
A alegria,
O paraíso,
O deleite suave e bendito

Vamos olhar o homem
Contemplar a sociedade
As lutas
As dificuldades
O sonho erudito
E sentir no corpo
A ironia
O desejo
O canto doce e contrito

Vamos olhar os mares
Contemplar as ondas
Os peixes
As sereias
O coral benquisto
E sentir na pele
A areia
O sal
O sol suave e malvisto

Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

OBS:. Ao copiar esta poesia cite o autor

domingo, maio 16, 2010

Sedução



segunda-feira, abril 26, 2010

Mamãe


Mamãe

Tu és a mais bela rosa
Do jardim da minha vida

A mais amada
A mais eternizada
A mais valorizada
Das rosas encantadas

Mamãe
Tu és a mais bela rosa
Do jardim da minha vida

A mais querida
A mais idolatrada
A mais purificada
Das rosas amadas

Mamãe
Tu és a mais bela rosa
Do jardim da minha vida

Tu és aquela
Que me deu a vida
Que meu deu o perdão
Que me deu a grande lição:
Amar sem Restrição

Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor.

sexta-feira, abril 09, 2010

Denuncie

segunda-feira, março 22, 2010

Decepção


Decepção

Tentando atenuar as desventuras
De um ser tão vil e cruel
Procuro no passado as juras
De um amor duro como fel

Idealizado nas palavras futuras
De amante desprezível de bordel
Esquecidas as amarguras
Vejo quão grande foi infiel

Mas por acreditar no perfeito amor
Vejo suas palavras desaparecer
Vivas como ordinário atirador
Procurando me fazer viver

Mario de Almeida
O poeta castanhalense
Em 22/03/2010 ás 10h30min

Ao copiar esta poesia cite o autor

quinta-feira, março 18, 2010

Sorrir



Sorrir

Sorrir sempre é um bem
Visto nos lábios solitários
De um ser, de alguém
Que mesmo sorrindo
Anda sozinho, fechado
No além

Esperando a felicidade
Que vem sozinha
Trazendo nas mãos
O amor
O grande bem
Que faz o ser sorrir
Por dentro também

Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

segunda-feira, março 01, 2010

Ontem e Hoje

Foto Gheucy

Ontem e hoje

Ontem foi um dia maravilhoso
Repleto de flores e de sabores
Onde os olhos brilhantes de uma sereia
Tornou-se constante na minha visão

Hoje és um dia especial
Cheio de raios solares no horizonte
E nuvens prontas para derramar suas lágrimas
Deixando o sol tristonho e lagrimoso

Ontem foi um dia perfeito para o amor
Encontrado nos olhos da sereia
Desnuda de suas escamas
Que me encantou perpetuamente
Com seu canto amoroso

Hoje és a nostalgia de ontem
Da beleza, do canto,
Do brilho dos olhos
Da mais sublime e bela sereia
Saída das águas salgadas
Para adocicar a minha vida

Ontem foi um dia impar na história
Um dia simples e perfeito
Onde meu peito deparou com os olhos brilhantes
Da Sereia saída das profundezas do mar
Em busca da alegria perdida no mundo

Hoje é a mais bela lembrança
De ontem passadas em meus olhos
Contempladas por tempos infinitos
Amadas e perpetuadas no coração
Feito sangue corrente nas veias

Ontem foi o encontro inesperado
Do amor com a mais linda paixão
Inquilina desejada do meu coração
Despejada injustamente pela solidão
Detentora das dores, da escuridão
Que foi devastada pelos olhos brilhantes
Da Sereia, de canto suave e inebriante

Hoje é a certeza do ontem
De que a felicidade estar sorrindo
Para nossos olhos
Enquanto observando o outro lado
Não a deixando nos inebriar de sua alegria

Ontem foi e sempre será

Um dia inesquecível para meus olhos
Que sem perceber encontrou
A Sereia dos meus sonhos
Cantando o canto do amor
Para o meu coração
Deixando-me feliz
Levando a minha solidão


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor.

sábado, fevereiro 27, 2010

Amor Mortal



Amor mortal

Quero beijar-te,
Tocando teus lábios nos meus
Abraçando teu corpo,
Sentindo entre nós
O amor de Julieta e Romeu

Quero olhar nos teus olhos
Para sentir o sentimento teu
Que é tão profundo
Quanto os teus olhos
Que encaram os meus

Quero abraçar o corpo teu
Para sentir o sentimento
Que sentiu Romeu
Na hora que descobriu
Que Julieta Morreu

Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor.

sexta-feira, fevereiro 26, 2010

Amor

O amor é lindo
Sem imperfeições
é o deleite da felicidade
repleto de emoções

Quando era amor


Quando era amor


Era um amor perfeito
Perfeito de perfeição
Perfeição no peito
Peito que bate o coração

Era um amor suspeito
Suspeito de contradição
Contradição que contradiz o jeito
O jeito da paixão

Era um amor bem-feito
Bem-feito no coração
Coração repleto de efeito
Efeito da emoção

Era um amor direito
Direito da realização
Realização do pleito
Pleito coração

Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiara esta poesia cite o autor.

Um pedido de perdão


Um pedido de perdão
Para o meu amor Anjel

Perdoa amor
Por não ter conseguido
Te esquecer
Por não ter lagado
Este sentimento morrer
Por não ter resistido
Ficar longe de você
Por não ter parado
De pensar em te ver
Nem um instante do meu viver

Perdoa amor
Por não saber o que dizer
Para Justificar
Que ainda penso tanto em você
Que ainda sinto o teu cheiro ao amanhecer
Que ainda sinto os teus beijos
Me fazendo enlouquecer
Que ainda sonho viver
Uma longa vida com você

Perdoa amor
Por nao saber o que fazer
Para te esquecer


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor


quinta-feira, fevereiro 18, 2010

Uma bela espetacular


Uma bela espetacular



Caminhando triste pelo tempo
Um olhar doce a contento
Tomou conta dos meus pensamentos
Deixando-me voando sem tormento

Feito pássaro livre do sofrimento
Perto da felicidade e do sentimento
Tão belo, tão puro, tão suave, tão perfeito
Esquecido pelo tempo, dentro do peito

Admirado por aquele olhar, doce a brilhar
Fiquei horas e horas a contemplar
A face linda, feito lua em noite de luar

Daquela bela espetacular
Que tomou conta do meu peito
Fazendo-me sonhar, sonhar e sonhar


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor

terça-feira, fevereiro 16, 2010

Saudade



Saudade

Quando sinto a tua falta
Pego uma caneta,
Teço versos alados
E os envio ao teu encontro
Depois de tempos
Dócil e sorrindo
Eles voltam
Trazendo tua resposta:

Eu também Te amo,
Meu amor!

Escrita num lencinho de papel
Colorido, com o cheiro
De flores do campo…

E a saudade se esvair

Mario de Almeida O poeta Castanhalense

Coração Fechado

foto google.com.br

Coração Fechado

Abra a porta
Não importa
Se as feridas
Esteja abertas
O que importa
É a descoberta
Do amor em festa
Que cicatrizará
As feridas
Sem chorar
Sem para
Sem cessar
Ao te amar



Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao Copiar esta poesia cite o autor.

Bela dos Olhos Claros

foto google.com.br

Bela dos Olhos Claros

Bela dos olhos claros
Espera-me ao anoitecer
Não fique triste
Vou fazer-te sorrir
Na noite escura
No canto do colibri

Vou olhar nos teus olhos
E fazê-la sentir
A felicidade batendo no peito
Com amor sem fim

Bela dos olhos claros
Não fique triste
Espera por mim
Vou te amar
Até o FIM

Mario de Almeida
O poeta Castanhalense


Ao copiar esta poesia cite o Autor

Ao luar

Foto google.com.br

Ao Luar

Tudo começou naquele luar
Meu coração a disparar
Fez-me sonhar
Com os teu olhos
Da cor do mar
Passando ao meu lado
Fazendo-me amar
Flutuar no infinito
Nadar na água do mar
Sem saber nada
Ao luar


Mario de Almeida
O poeta castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor


domingo, fevereiro 14, 2010

Falar com Você

Foto google.com.br

Falar com você


É a maneira de saber
O sentimento que flui no teu peito
E faz o amor florescer

É olhar o luar e sentir o prazer
De ouvir tuas palavras
Que faz o coração enaltecer

É sentir o viver, o amor
Que bate no teu peito
Com grande prazer

É saber que os teus olhos
São lindos passarinhos
Saindo do ninho
Abarrotadaos de carinho
E viver


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor.

MInha Bela

Foto google.com.br

Minha Bela

Minha bela, minha linda donzela
Não feche a tua janela
A tua janela
Eu preciso entrar n'ela
Entrar n'ela
Na tua janela, na tua janela

Minha bela, minha linda donzela
Deixa entreaberta a tua janela
A tua janela
O amor precisa entrar n'ela
Entrar n'ela
Na tua janela, na tua janela

Minha bela, minha linda donzela
Escancare a tua janela
A tua janela

Não tenha medo!

A felicidade precisa entrar n'ela
Entrar n'ela
Na tua janela, na tua janela


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor.

sábado, fevereiro 13, 2010

Som do Carnaval

Foto Google.com.br


O som do carnaval


Som, festa, som

Bateria, som,
Festa,

Bateria, som
Trio elétrico, som
Festa

Bateria, som
Som, festa, som

Ivete, som, no vocal

Festa, som, bateria
Som, festa, carnaval

A mulata, som
Som, bateria, som

Carnaval

Uma festa social

Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor

Inspiração

Foto Patrícia Cavalcante

Inspiração


Todos os dias, olho o céu
Em busca de palavras
Que voe ao teu encontro
Levando à felicidade

Vejo nuvens carregadas
De amor
Prontas para saciar
A sede do coração

Descubro no infinito
A pureza da tua alma
Misturada com o branco
Das nuvens

E no clarão do sol
O brilho especial
Jorra da tua face
Fazendo acontecer à felicidade
No meu coração


* Mario de Almeida
Poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor

Diga: SIM


Diga: SIM


Abra o coração e deixa sair

Aquela palavra linda

Que me fará sorrir

Criando no meu semblante

Uma felicidade sem fim

Deixando meu peito acelerado

Batendo por ti

Meu sublime amor

Que terá começo e não terá fim

Que me faz perguntar

Sem medo de ti


Quer namorar comigo?


Diga: SIM


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor

Nem pra ser verdade

Foto. Lorena Macedo


Nem pra ser verdade

Olhar nos teus olhos
Encontrar à felicidade

Beijar os teus lábios

E sentir o amor
Com veracidade

Nem pra ser verdade

Pegar tuas mãos
Matar a saudade

Tocar o teu corpo

Sorrindo
Com mocidade

Nem pra ser verdade

Apreciar o teu cheiro
Brincando de felicidade

Afagar os teus cabelos

Manhosos
De verdade

Massagear os teus pés

Com amor
E sensualidade

Nem pra ser verdade



Mario de Almeida

O poeta Castanhalense


Ao copiar esta poesia cite o autor

Este poema é dedicado a poetiza
romântica Teresa Cordioli.

A Bailarina Apaixonada

Poesia dedicada a Bailarina
Soraya Botelho


A Bailarina Apaixonada


A Bailarina Apaixonada
Vai sorrindo camarada
Com seu grande talento
Vai contagiando a contento

Com suas sapatilhas
Que voam como o vento
Arranca aplausos
Com grande sentimento

Aplausos...
Que deixa a bailarina apaixonada
Contente na sua doce jornada

Como se fosse uma namorada
Dedica e muito estimada


Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor

Belas Graças

Adna, Lorena Macedo e Nayara Jacob


Belas Graças

Na noite clara
Sentado na praça
Vi três raras graças

Duas com olhares brilhantes

E uma, com olhar cativante

Seus sorrisos, era o paraíso

Suas bocas, traziam o mel
Que leva aos céus

Seus nomes sem sobrenome

Hoje, em meus pensamentos não some

Lorena, a bela e pequena

Com cheiro de açucena

Adna, a alegre e breve

Com sorriso leve

Nayara, a doce cativante

De olhar penetrante

Foram as graças

Que tocaram minha alma
Naquela noite intrigante
Que encontrei
Os três mais lindos diamantes


* Por Mario de Almeida
O poeta Castanhalense

Ao copiar esta poesia cite o autor